28 OUTUBRO – SANTOS SIMÃO E JUDAS TADEU – APÓSTOLOS

Simão e Judas Tadeu (Palestina, séc. 1º) são discípulos de Jesus sobre os quais poucos se sabe. Simão é chamado zelota ou cananeu pelos evangelistas, como forma de distingui-lo de Pedro. Judas, a princípio rejeitado por ser confundido com o traidor, tornou-se um dos santos mais populares, venerado como padroeiro das causas desesperadas. (LD, ano XXIV, nº286, p. 86)

 

No seu amor inabalável, o Senhor escolheu como apóstolos Simão e Judas e lhes deu uma glória eterna. (Antífona da Missa)

 

ORAÇÃO DO DIA

Ó Deus, que, pela pregação dos apóstolos, nos fizestes chegar ao conhecimento do vosso evangelho, concedei, pelas preces de são Simão e São Judas, que a vossa Igreja não cesse de crescer, acolhendo com amor novos fiéis. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. (Oração das Horas)

Leituras da liturgia eucarística: Ef 2,19-22; Sl 18; Lc 6,12-19

 

EVANGELHO: Lc 6,12-19

12apostolesdejesus

Naqueles dias, Jesus foi à montanha para rezar. E passou a noite toda em oração a Deus. Ao amanhecer, chamou seus discípulos e escolheu doze dentre eles, aos quais deu o nome de apóstolos: Simão, a quem impôs o nome de Pedro, e seu irmão André; Tiago e João; Filipe e Bartolomeu; Mateus e Tomé; Tiago, filho de Alfeu, e Simão, chamado Zelota; Judas, filho de Tiago, e Judas Iscariotes, aquele que se tornou traidor.

Jesus desceu da montanha com eles e parou num lugar plano. Ali estavam muitos dos seus discípulos e grande multidão de gente de toda a Judeia e de Jerusalém, do litoral de Tiro e Sidônia. Vieram para ouvir Jesus e serem curados de suas doenças. E aqueles que estavam atormentados por espíritos maus também foram curados. A multidão toda procurava tocar em Jesus, porque uma força saía dele, e curava a todos.

 

REFLEXÃO

A eleição dos apóstolos é uma das mais importantes decisões tomadas por Jesus. Só Lucas, porém, diz que Jesus a fez na montanha depois de passar a noite em oração. Os vv. 17-19, embora de transição, são assaz importantes. Introduzem o “sermão da planície”, que corresponde ao da montanha de Mateus. Lucas observa que havia lá “grande multidão de discípulos seus, sua origem e nomes geográficos evidenciam um sentido de universalidade. Lucas via nisto a realidade de sua Igreja no mundo. O motivo de ir a Jesus é “ouvi-lo e ser curado”.

(…)

Jesus prepara com a oração para a escolha dos “doze”, como para os momentos mais importantes de sua missão. Eles deverão garantir o futuro. São os “enviados”, os “missionários” fundamentais de Cristo, o “apóstolo”, o grande “Enviado” do Pai. Formam um grupo. Como os patriarcas das doze tribos, serão eles os fundamentos do novo povo de Deus. A Pedro, com a mudança do nome (consoante a mentalidade bíblica) é confiada uma missão própria. Mas estes são apenas os começos: a “vocação” dos apóstolos, como toda vocação, tem sucessivos desenvolvimentos, provenientes da convivência e familiaridade com Cristo, de seus ensinamentos, da experiência de sua Páscoa e da descida do Espírito Santo. (Missal Cotidiano, Paulus, 1995, p. 1250-51)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s