16º DOMINGO TEMPO COMUM – ANO B

É Deus que me ajuda, é o Senhor quem defende a minha vida. Senhor, de todo o coração hei de vos oferecer o sacrifício e dar graças ao vosso nome, porque sois bom (Sl 53,6.8).

 

ORAÇÃO DO DIA

Ó Deus, sede generoso para com os vossos filhos e filhas e multiplicai em nós os dons da vossa graça, para que, repletos de fé, esperança e caridade, guardemos fielmente os vossos mandamentos. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. (LD, ano XXIV, nº 282)

Leituras da liturgia eucarística: Jr 23,1-6; Sl 22(23); Ef 2,13-18; Mc 6,30-34

 

EVANGELHO: Mc 6,30-34

 

Naquele tempo, os apóstolos reuniram-se com Jesus e contaram tudo o que haviam feito e ensinado.

Ele lhes disse: “Vinde sozinhos para um lugar deserto e descansai um pouco”. Havia, de fato, tanta gente chegando e saindo que não tinham tempo nem para comer.

Então foram sozinhos, de barco, para um lugar deserto e afastado. Muitos os viram partir e reconheceram que eram eles. Saindo de todas as cidades, correram a pé, e chegaram lá antes deles.

Ao desembarcar, Jesus viu uma numerosa multidão e teve compaixão, porque eram como ovelhas sem pastor. Começou, pois, a ensinar-lhes muitas coisas.

 

REFLEXÃO

“Queridos irmãos e irmãs!

A Palavra de Deus deste domingo repropõe-nos um tema fundamental e sempre fascinante da Bíblia: recorda-nos que Deus é o Pastor da humanidade. Isto significa que Deus quer para nós a vida, quer guiar-nos para pastagens boas, onde podemos alimentar-nos e repousar; não quer que nos percamos e que morramos, mas que cheguemos à meta do nosso caminho que é precisamente a plenitude da vida. É quanto deseja cada pai e mãe para os próprios filhos: o bem, a felicidade, a realização. No Evangelho de hoje Jesus apresenta-se como Pastor das ovelhas perdidas da casa de Israel. O seu olhar sobre o povo é um olhar por assim dizer «pastoral». Por exemplo, no Evangelho deste domingo, diz-se que «ao desembarcar, Jesus viu uma grande multidão e compadeceu-Se dela, porque eram como ovelhas sem pastor. Começou então e a ensiná-la demoradamente» (cf. Mc 6, 34). Jesus encarna Deus Pastor com o seu modo de pregar e com as suas obras, ocupando-se dos doentes e dos pecadores, de quantos estão «perdidos» (cf. Lc 19, 10), para os reconduzir para um lugar seguro, na misericórdia do Pai.

Entre as «ovelhas perdidas» que Jesus salvou encontra-se também uma mulher de nome Maria, originária da aldeia de Magdala, no Lago da Galileia, e por isso chamada Madalena. Celebra-se hoje a sua memória litúrgica no calendário da Igreja. Diz o Evangelista Lucas que dela Jesus fez sair sete demónios (cf. Lc 8, 2), ou seja, salvou-a de um servilismo total ao maligno. Em que consiste esta cura profunda que Deus realiza através de Jesus? Consiste numa paz verdadeira, completa, fruto da reconciliação da pessoa em si mesma e em todas as suas relações: com Deus, com os outros, com o mundo. Com efeito, o maligno procura corromper sempre a obra de Deus, semeando divisão no coração humano, entre corpo e alma, entre o homem e Deus, nas relações interpessoais, sociais, internacionais, e também entre o homem e a criação. O maligno semeia guerra; Deus cria paz. Aliás, como afirma são Paulo, Cristo «é a nossa paz, aquele que de dois fez uma coisa só, abatendo o muro de separação que os dividia, ou seja, a inimizade, por meio da sua carne» (Ef 2, 14). Para realizar esta obra de reconciliação radical Jesus, o Bom Pastor, teve que se tornar Cordeiro, «o Cordeiro de Deus… que tira o pecado do mundo» (Jo 1, 29). Só assim pôde realizar a maravilhosa promessa do Salmo: «Sim, bondade e fidelidade ser-me-ão companheiras / todos os dias da minha vida, / habitarei ainda na casa do Senhor / por longos dias» (22/23, 6).

Queridos amigos, estas palavras fazem-nos vibrar o coração, porque expressam o nosso desejo mais profundo, dizem para que somos feitos: para a vida, a vida eterna! São as palavras de quem, como Maria Madalena, experimentou Deus na própria vida e conhece a sua paz. Palavras verdadeiras como nunca nos lábios da Virgem Maria, que já vive para sempre nas pastagens do Céu, onde o Cordeiro Pastor a conduziu. Maria, Mãe de Cristo nossa paz, intercede por nós!” (Papa Bento XVI, Angelus, 22 de julho de 2012).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s