24º DOMINGO DO TEMPO COMUM – ANO A

“Ouvi, Senhor, as preces do vosso servo e do vosso povo eleito: dai a paz àqueles que esperam em vós, para que os vossos profetas sejam verdadeiros.” Eclo 36,18

 

ORAÇÃO DO DIA

Ó Deus, criador de todas as coisas, volvei para nós o vosso olhar e, para sentirmos em nós a ação do vosso amor, fazei que vos sirvamos de todo o coração. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

Leituras da liturgia eucarística: 

Primeira Leitura (Eclo 27,33-28,9)

Leitura do Livro do Eclesiástico:

33O rancor e a raiva são coisas detestáveis; até o pecador procura dominá-las. 28,1Quem se vingar encontrará a vingança do Senhor, que pedirá severas contas dos seus pecados.

2Perdoa a injustiça cometida por teu próximo; assim, quando orares, teus pecados serão perdoados. 3Se alguém guarda raiva contra o outro, como poderá pedir a Deus a cura? 4Se não tem compaixão do seu semelhante, como poderá pedir perdão dos seus pecados? 5Se ele, que é um mortal, guarda rancor, quem é que vai alcançar perdão para os seus pecados?

6Lembra-te do teu fim e deixa de odiar; 7pensa na destruição e na morte, e persevera nos mandamentos. 8Pensa nos mandamentos, e não guardes rancor ao teu próximo. 9Pensa na aliança do Altíssimo, e não leves em conta a falta alheia!

 

Salmo Responsorial (Sl 102)

— O Senhor é bondoso, compassivo e carinhoso.

— Bendize, ó minha alma, ao Senhor,/ e todo o meu ser, seu santo nome!/ Bendize, ó minha alma, ao Senhor,/ não te esqueças de nenhum de seus favores!

— Pois ele te perdoa toda culpa,/ e cura toda a tua enfermidade;/ da sepultura ele salva a tua vida/ e te cerca de carinho e compaixão.

— Não fica sempre repetindo as suas queixas,/ nem guarda eternamente o seu rancor./ Não nos trata como exigem nossas faltas,/ nem nos pune em proporção às nossas culpas.

— Quanto os céus por sobre a terra se elevam,/ tanto é grande o seu amor aos que o temem;/ quanto dista o nascente do poente,/ tanto afasta para longe nossos crimes.

Segunda Leitura (Rm 14,7-9)

Leitura da Carta de São Paulo aos Romanos:

Irmãos: 7Ninguém dentre vós vive para si mesmo ou morre para si mesmo. 8Se estamos vivos, é para o Senhor que vivemos; se morremos, é para o Senhor que morremos. Portanto, vivos ou mortos, pertencemos ao Senhor. 9Cristo morreu e ressuscitou exatamente para isto: para ser o Senhor dos mortos e dos vivos.

 

Anúncio do Evangelho (Mt 18,21-35)

Naquele tempo, 21Pedro aproximou-se de Jesus e perguntou: “Senhor, quantas vezes devo perdoar, se meu irmão pecar contra mim? Até sete vezes?”

22Jesus respondeu: “Não te digo até sete vezes, mas até setenta vezes sete. 23Porque o Reino dos Céus é como um rei que resolveu acertar as contas com seus empregados. 24Quando começou o acerto, levaram-lhe um que lhe devia uma enorme fortuna. 25Como o empregado não tivesse com que pagar, o patrão mandou que fosse vendido como escravo, junto com a mulher e os filhos e tudo o que possuía, para que pagasse a dívida.  26O empregado, porém, caiu aos pés do patrão e, prostrado, suplicava: ‘Dá-me um prazo, e eu te pagarei tudo!’ 27Diante disso, o patrão teve compaixão, soltou o empregado e perdoou-lhe a dívida. 28Ao sair dali, aquele empregado encontrou um dos seus companheiros que lhe devia apenas cem moedas. Ele o agarrou e começou a sufocá-lo, dizendo: ‘Paga o que me deves’.

29O companheiro, caindo aos seus pés, suplicava: ‘Dá-me um prazo, e eu te pagarei!’ 30Mas o empregado não quis saber disso. Saiu e mandou jogá-lo na prisão, até que pagasse o que devia.  31Vendo o que havia acontecido, os outros empregados ficaram muito tristes, procuraram o patrão e lhe contaram tudo. 32Então o patrão mandou chamá-lo e lhe disse: ‘Empregado perverso, eu te perdoei toda a tua dívida, porque tu me suplicaste. 33Não devias tu também ter compaixão do teu companheiro, como eu tive compaixão de ti?’

34O patrão indignou-se e mandou entregar aquele empregado aos torturadores, até que pagasse toda a sua dívida. 35É assim que o meu Pai que está nos céus fará convosco, se cada um não perdoar de coração ao seu irmão”.

 

REFLEXÃO

Meditação. — 1. No Evangelho deste domingo, S. Pedro aproxima-se de Jesus para lhe fazer a seguinte pergunta: “Senhor, quantas vezes devo perdoar, se meu irmão pecar contra mim? Até sete vezes?” Como em outras ocasiões, a resposta de Nosso Senhor é igualmente desconcertante: “Não te digo até sete vezes, mas até setenta vezes sete”. E para ilustrar o novo ensinamento, Cristo propõe aos discípulos a parábola do servo impiedoso.

Logo nos primeiros versículos (v. 23-28), temos o cenário de um julgamento. Jesus fala de um rei que, diante da enorme dívida de seu servo, age com justiça, emitindo uma sentença de condenação: “[…] mandou que fosse vendido como escravo, junto com a mulher e os filhos e tudo o que possuía, para que pagasse a dívida”. O servo, por outro lado, embora não tivesse recursos para ressarcir o rei, implora à sua majestade por um prazo (o original grego diz μακροθύμησον = “tem paciência”). E o rei, movido de compaixão, “soltou o servo e perdoou-lhe a dívida”, conta-nos o evangelista.

A primeira lição dessa parábola é sobre a misericórdia de Deus. Enquanto estivermos neste mundo, por mais graves que sejam nossas faltas, sempre teremos a oportunidade de recomeçar. A simbologia por trás do número de vezes que Jesus nos manda perdoar (70 vezes 7) representa a paciência de Deus, que jamais se esgota; Ele sempre nos dá uma nova chance de emenda. Em razão disso, somos impelidos a agir com a mesma compaixão, perdoando aqueles que nos causaram algum dano.  Até porque a nossa dívida com Deus é infinitamente maior que a de qualquer pessoa conosco. E se, mesmo assim, Ele está sempre inclinado a perdoar-nos qualquer culpa, não há razão justificável para sermos inclementes com aqueles que nos ofenderam.

2. Dito isso, a parábola apresenta uma sequência surpreendente: “Ao sair dali, aquele empregado encontrou um dos seus companheiros que lhe devia apenas cem moedas”. Contudo, em vez de agir com misericórdia, S. Mateus conta-nos que “ele o agarrou e começou a sufocá-lo, dizendo: ‘Paga o que me deves’”. Esse companheiro chegou também a implorar-lhe um prazo (de fato, ele fez a mesma prece:  μακροθύμησον = “tem paciência”), mas o perdão não veio, e o empregado “mandou lançá-lo na prisão até que pagasse o que devia”. Quando o rei soube do ocorrido, ficou irado e “mandou entregar aquele servo aos carrascos, até que pagasse toda a dívida”.

A parábola termina com a advertência de Jesus: “Assim vos tratará meu Pai celeste, se cada um não perdoar de coração ao seu irmão”. É interessante notar como a pregação de Cristo não omite essa questão delicada. Movidos por uma falsa misericórdia, alguns pregadores modernos gostam sempre de enfatizar a bondade de Deus, relativizando a existência do juízo final, sob a alegação bastante incerta e infundada de que o inferno estaria vazio. Ora, não existem evidências que nos levem a crer nisso nem as palavras de Nosso Senhor, manso e humilde de Coração, autorizam-nos a pensar semelhante coisa.

3. A misericórdia consiste, na verdade, em fazer o pecador sair do seu erro, como nos previne a segunda leitura: “Lembra-te do teu fim e deixa de odiar; pensa na destruição e na morte, e persevera nos mandamentos” (Eclo 27, 6s). Jesus lança-se, portanto, contra a hipocrisia e a duplicidade com que o empregado mau age diante do rei e de seu companheiro. Trata-se de um aviso: o Pai conhece o coração de cada homem e nada está oculto aos seus olhos. Não é possível fazer teatro para Deus. Por isso, a parábola como que explicita aquilo que está na oração do pai-nosso: Perdoai-nos as nossas ofensas, assim como nós (lt. “sicut et nos”) perdoamos a quem nos tem ofendido.

Quem medita sobre a caridade divina e o quanto Deus está disposto a nos perdoar, não tem muita dificuldade de esquecer as culpas alheias. Aliás, a consciência reta acerca dessa matéria ajuda-nos, outrossim, a fazer uma confissão piedosa, cuja motivação não é tanto o medo do inferno quanto a dor de ter ofendido a Deus. Agindo assim, deixaremos de ser “homens carnais”, preocupados apenas com assuntos egoístas, para nos convertermos em “homens espirituais”, cheios da misericórdia de Deus.

Oração. — Ó Deus, criador de todas as coisas, volvei para nós o vosso olhar e, para sentirmos em nós a ação do vosso amor, fazei que vos sirvamos de todo o coração. Por Nosso Senhor, Jesus Cristo, vosso Filho, que convosco vive e reina, na unidade do Espírito Santo, pelos séculos dos séculos. Amém.

Texto: Padre Paulo Ricardo (Homilia Dominical – 12 setembro 2020)

fonte: padrepauloricardo.org

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s