12 DE DEZEMBRO – NOSSA SENHORA DE GUADALUPE – Padroeira da América Latina

Alegremo-nos todos no Senhor, celebrando a Festa de Nossa Senhora de Guadalupe; conosco alegram-se os Anjos e glorificam o Filho de Deus. (Ant. Entr.)

 

ORAÇÃO DO DIA

Ó Deus, que nos destes a santa Virgem Maria para amparar-nos como mãe solícita, concedei aos povos da América Latina, que hoje se alegram com sua proteção, crescer constantemente na fé e alcançar o desejado progresso no caminho da justiça e da paz. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. (MC, p. 1830)

 

SOBRE NOSSA SENHORA DE GUADALUPE

Num sábado, no ano de 1531, a Virgem Santíssima apareceu a um indígena que, de seu lugarejo, caminhava para a cidade do México, a fim de participar da catequese e da Santa Missa, enquanto estava na colina de Tepeyac, perto da capital. Esse índio convertido chamava-se Juan Diego (canonizado pelo Papa João Paulo II em 2002).

Então, Nossa Senhora disse ao Juan Diego que ele fosse até o bispo e lhe pedisse que, naquele lugar, fosse construído um santuário para a honra e glória de Deus.

O bispo local, usando de prudência, pediu um sinal da Virgem ao indígena que, somente na terceira aparição, foi concedido. Isso ocorreu quando Juan Diego buscava um sacerdote para o tio doente: “Escute, meu filho, não há nada o que temer, não fique preocupado nem assustado; não tema esta doença, nem outro qualquer dissabor ou aflição. Não estou eu aqui, a seu lado? Eu sou a sua Mãe dadivosa. Acaso não o escolhi para mim e o tomei aos meus cuidados? Que deseja mais do que isto? Não permita que nada o aflija e o perturbe. Quanto à doença do seu tio, ela não é mortal. Eu lhe peço, acredite agora mesmo, porque ele já está curado. Filho querido, essas rosas são o sinal que você vai levar ao Bispo. Diga-lhe em meu nome que, nessas rosas, ele verá minha vontade e a cumprirá. Você é meu embaixador e merece a minha confiança. Quando chegar diante dele, desdobre a sua “tilma” (manto) e mostre-lhe o que carrega, porém, só em sua presença. Diga-lhe tudo o que viu e ouviu, nada omita”.

O prelado viu não somente as rosas, mas o milagre da imagem de Nossa Senhora de Guadalupe, pintada prodigiosamente no manto do humilde indígena. Ele levou o manto com a imagem da Santíssima Virgem para a capela e, ali, em meio às lágrimas, pediu perdão a Nossa Senhora. Era o dia 12 de dezembro de 1531.

Uma linda confirmação deu-se quando Juan Diego fora visitar o seu tio, que sadio narrou: “Eu também a vi. Ela veio a esta casa e falou a mim. Disse-me também que desejava a construção de um templo na colina de Tepeyac e que sua imagem seria chamada de ‘Santa Maria de Guadalupe’, embora não tenha explicado o porquê”. Diante de tudo isso, muitos se converteram e o santuário foi construído.

O grande milagre de Nossa Senhora de Guadalupe é a sua própria imagem. O tecido, feito de cacto, não dura mais do que 20 anos e esse já existe há mais de quatro séculos e meio. Durante 16 anos, a tela esteve totalmente desprotegida, sendo que a imagem nunca foi retocada e, até hoje, os peritos em pintura e química não encontraram na tela nenhum sinal de corrupção.

No ano de 1971, alguns peritos inadvertidamente deixaram cair ácido nítrico sobre toda a pintura. E nem a força de um ácido tão corrosivo estragou ou manchou a imagem. Com a invenção e ampliação da fotografia, descobriu-se que, assim como a figura das pessoas com as quais falamos se reflete em nossos olhos, da mesma forma, a figura de Juan Diego, do referido bispo e do intérprete se refletiu e ficou gravada nos olhos do quadro de Nossa Senhora. Cientistas americanos chegaram à conclusão de que essas três figuras estampadas nos olhos de Nossa Senhora não são pinturas, mas imagens gravadas nos olhos de uma pessoa viva.

Declarou o Papa Bento XIV, em 1754: “Nela tudo é milagroso: uma Imagem que provém de flores colhidas num terreno totalmente estéril, no qual só podem crescer espinheiros… Uma Imagem estampada numa tela tão rala que através dela pode se enxergar o povo e a nave da Igreja… Deus não agiu assim com nenhuma outra nação”.

Coroada em 1875 durante o Pontificado de Leão XIII, Nossa Senhora de Guadalupe foi declarada “Padroeira de toda a América”, pelo Papa Pio XII no dia 12 de outubro de 1945.

No dia 27 de janeiro de 1979, durante sua viagem apostólica ao México, o Papa João Paulo II visitou o Santuário de Nossa Senhora de Guadalupe e consagrou a Mãe Santíssima toda a América Latina, da qual a Virgem de Guadalupe é Padroeira.

Nossa Senhora de Guadalupe, rogai por nós!

Fonte: santo.cancaonova.com

 

ORAÇÃO À NOSSA SENHORA DE GUADALUPE

Ó gloriosa Mãe de Deus, Nossa Senhora de Guadalupe, padroeira das Américas,
Tu és nossa mãe compassiva,
Curai nossas penas,
Nossas misérias e dores,
Acolhei-nos no aconchego do Teu manto,
Escutai mãe as nossas preces.

(Faça o seu pedido)

Amparai os doentes e desempregados,
Abençoai nossas casas e as nossas famílias,
Protegei nossos filhos,
Livrando-os das maldades e dos perigos desse mundo,
Guardai nossos lares,
Escondendo-os dos olhos dos maus,
Que neles o nome de Deus seja sempre invocado com respeito e amor,
Que os seus mandamentos sejam observados com fidelidade,
Que Vosso bendito nome, ó Mãe querida,
Seja sempre lembrado com muita devoção,
Que a palavra de Deus seja sempre meditada,
E seguida todos os dias da nossa vida.
Que a nossa obediência a Teu Filho Jesus,
Exale tal qual rosa um perfume de santidade.
Amém.

 

08 DE DEZEMBRO – IMACULADA CONCEIÇÃO DE MARIA

Com grande alegria rejubilo-me no Senhor, e minha alma exultará no meu Deus, pois me revestiu de justiça e salvação, como a noiva ornada de suas jóias (Is 61,10).

ORAÇÃO DO DIA

Ó Deus, que preparastes uma digna habitação para o vosso Filho pela Imaculada Conceição da Virgem Maria, preservando-a de todo o pecado em previsão dos méritos de Cristo, concedei-nos chegar até vós, purificados também de toda a culpa, por sua materna intercessão. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Leituras da Liturgia Eucarística: Gn 3,9-15.20; Sl 97/98; Ef 1,3-6.11-12; Lc 1,26-38

Primeira Leitura (Gn 3,9-15.20)

Leitura do Livro do Gênesis:

Depois que Adão comeu do fruto da árvore, 9o Senhor chamou Adão, dizendo: “Onde estás?” 10E ele respondeu: “Ouvi tua voz no jardim, e fiquei com medo porque estava nu; e me escondi”.

11Disse-lhe o Senhor Deus: “E quem te disse que estavas nu? Então comeste da árvore, de cujo fruto te proibi comer?” 12Adão disse: “A mulher que tu me deste por companheira, foi ela que me deu do fruto da árvore, e eu comi”. 13Disse o Senhor Deus à mulher: “Por que fizeste isso?” E a mulher respondeu: “A serpente enganou-me e eu comi”.

14Então o Senhor Deus disse à serpente: “Porque fizeste isso, serás maldita entre todos os animais domésticos e todos os animais selvagens! Rastejarás sobre o ventre e comerás pó todos os dias de tua vida! 15Porei inimizade entre ti e a mulher, entre a tua descendência e a dela. Esta te ferirá a cabeça e tu lhe ferirás o calcanhar”. 20E Adão chamou à sua mulher “Eva”, porque ela é a mãe de todos os viventes.

 SALMO RESPONSORIAL (97/98)

— Cantai ao Senhor Deus um canto novo, porque ele fez prodígios!

— Cantai ao Senhor Deus um canto novo,/ porque ele fez prodígios!

— Cantai ao Senhor Deus um canto novo,/ porque ele fez prodígios!/ Sua mão e o seu braço forte e santo/ alcançaram-lhe a vitória.

— O Senhor fez conhecer a salvação,/ e às nações, sua justiça;/ recordou o seu amor sempre fiel/ pela casa de Israel.

— Os confins do universo contemplaram/ a salvação do nosso Deus./ Aclamai o Senhor Deus, ó terra inteira,/ alegrai-vos e exultai!

II Leitura – Efésios 1,3-6.11-12

Leitura da Carta de São Paulo aos Efésios:

3Bendito seja Deus, Pai de nosso Senhor Jesus Cristo. Ele nos abençoou com toda a bênção do seu Espírito em virtude de nossa união com Cristo, no céu. 4Em Cristo, ele nos escolheu, antes da fundação do mundo, para que sejamos santos e irrepreensíveis sob o seu olhar, no amor.

5Ele nos predestinou para sermos seus filhos adotivos por intermédio de Jesus Cristo, conforme a decisão de sua vontade, 6para o louvor da sua glória e da graça com que ele nos cumulou no seu Bem-amado.

11Nele também nós recebemos a nossa parte. Segundo o projeto daquele que conduz tudo conforme a decisão de sua vontade, nós fomos predestinados 12a sermos, para o louvor de sua glória, os que de antemão colocaram sua esperança em Cristo.

Evangelho – Lucas 1,26-38

 — O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 26no sexto mês, o anjo Gabriel foi enviado por Deus a uma cidade da Galileia, chamada Nazaré, 27a uma virgem, prometida em casamento a um homem chamado José. Ele era descendente de Davi e o nome da virgem era Maria. 28O anjo entrou onde ela estava e disse: “Alegra-te, cheia de graça, o Senhor está contigo!”

29Maria ficou perturbada com estas palavras e começou a pensar qual seria o significado da saudação. 30O anjo, então, disse-lhe: “Não tenhas medo, Maria, porque encontraste graça diante de Deus. 31Eis que conceberás e darás à luz um filho, a quem porás o nome de Jesus. 32Ele será grande, será chamado Filho do Altíssimo, e o Senhor Deus lhe dará o trono de seu pai Davi. 33Ele reinará para sempre sobre os descendentes de Jacó, e o seu reino não terá fim”. 34Maria perguntou ao anjo: “Como acontecerá isso, se eu não conheço homem algum?” 35O anjo respondeu: “O Espírito virá sobre ti, e o poder do Altíssimo te cobrirá com sua sombra. Por isso, o menino que vai nascer será chamado Santo, Filho de Deus. 36Também Isabel, tua parenta, concebeu um filho na velhice. Este já é o sexto mês daquela que era considerada estéril, 37porque para Deus nada é impossível”.

38Maria, então, disse: “Eis aqui a serva do Senhor; faça-se em mim segundo a tua palavra!” E o anjo retirou-se.

— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.

 REFLEXÃO

1. Celebramos hoje a solenidade da Imaculada Conceição da Bem-Aventurada Virgem Maria, data tão querida ao povo cristão. Ela insere-se bem neste clima do Advento e ilumina com esplendor de luz puríssima o nosso itinerário espiritual rumo ao Natal.

Contemplamos hoje a humilde jovem de Nazaré preservada, com privilégio extraordinário e indizível, da contaminação do pecado original e de qualquer culpa, para poder ser morada digna do Verbo encarnado. Em Maria, nova Eva, Mãe do novo Adão, o admirável e originário desígnio de amor do Pai é estabelecido de maneira ainda mais admirável. Por isso, a Igreja reconhecida aclama: “Através de Ti, Virgem Imaculada, reencontramos a vida: concebeste por obra do Espírito Santo e o mundo recebeu de Ti o Salvador” (Liturgia das Horas, Memória de Santa Maria, sábado, Antífona ao Benedictus).

2. A liturgia de hoje repropõe a narração evangélica da Anunciação. A Virgem, ao responder ao Anjo, proclama: “Eis a escrava do Senhor. Faça-se em mim segundo a tua palavra” (Lc 1, 38). Maria dá o seu consentimento total com a mente e o coração aos arcanos desígnios divinos e dispõe-se a receber, primeiro na fé e depois no seio virginal, o Filho de Deus.

“Eis!”. Esta sua adesão imediata à vontade divina constitui um modelo para todos nós, crentes, para que nos grandes acontecimentos, como também nas vicissitudes quotidianas, nos entreguemos totalmente ao Senhor.

Com o testemunho da sua vida, Maria encoraja-nos a acreditar no cumprimento das promessas divinas. Chama-nos ao espírito de humildade, justa atitude interior da criatura em relação ao Criador; exorta-nos a ter total esperança em Cristo, que realiza plenamente o desígnio salvífico, mesmo quando os acontecimentos se demonstram obscuros ou difíceis de aceitar. Como estrela resplandecente, Maria guia os nossos passos ao encontro do Senhor que há-de vir.

3. Caríssimos Irmãos e Irmãs! Dirijamos o olhar para a Imaculada toda Santa e toda Bela. Maria, nossa Advogada, Mãe do “Rei da paz”, que esmaga a cabeça da serpente, ajude todos nós, homens e mulheres do terceiro milénio, a resistir às tentações do mal, fortaleça nos nossos corações a fé, a esperança e a caridade a fim de que, fiéis à nossa chamada, saibamos ser, ao preço de qualquer sacrifício, destemidas testemunhas de Jesus Cristo, Porta Santa da salvação eterna. (Papa João Paulo II, 8 de Dezembro de 2000)

27 DE NOVEMBRO – NOSSA SENHORA DAS GRAÇAS DA MEDALHA MILAGROSA

 

Ó Maria concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a vós!

 

“A aparição de Nossa Senhora das Graças ocorreu no dia 27 de novembro de 1830 a Santa Catarina Labouré, irmã de caridade. A santa encontrava-se em oração na capela do convento, quando a Virgem Santíssima lhe apareceu. Tratava-se de uma Senhora de mediana estatura, o seu rosto tão belo e formoso… Estava de pé, com um vestido de seda, cor de branco-aurora. Cobria-lhe a cabeça um véu azul, que descia até os pés… As mãos estenderam-se para a terra, enchendo-se de anéis cobertos de pedras preciosas…

A Santíssima Virgem disse: ‘Eis o símbolo das graças que derramo sobre todas as pessoas que mas pedem…’.

Formou-se então em volta de Nossa Senhora um quadro oval, em que se liam em letras de ouro estas palavras: ‘Ó Maria concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a vós’. Nisto voltou-se o quadro e eu vi no reverso a letra M encimada por uma cruz, com um traço na base. Por baixo, os Sagrados Corações de Jesus e de Maria – o de Jesus cercado por uma coroa de espinhos e a arder em chamas, e o de Maria também em chamas e atravessado por uma espada, cercado de doze estrelas. Ao mesmo tempo ouvi distintamente a voz da Senhora a dizer-me: ‘Manda, manda cunhar uma medalha por este modelo. As pessoas que a trouxerem por devoção hão de receber grandes graças.” (LEITE, José, S.J., Santos de cada dia, v. III, Braga, Portugal, Ed. Apostolado da Oração, 1987, p. 346)

 

APARIÇÕES

Primeira aparição – 19 de julho de 1830 – Ocorreu na noite da festa de São Vicente de Paulo, dia 19 de julho de 1830, quando a Madre Superiora falou às noviças sobre as virtudes do santo fundador da congregação, dando a elas um fragmento de uma sobrepeliz do santo. Ao se deitar, Catarina rezou dizendo ao santo que queria ver a Mãe de Deus. Dormindo, acordou despertada por uma luz muito brilhante, seguida de uma voz infantil a lhe dizer: “Irmã Labouré, vem à capela; Santa Maria te aguarda!”

Mas ela alertou: “Vão nos descobrir!”.

A voz insistiu: “Não te preocupes, já é tarde, todos dormem… Vem! Estou à tua espera!”

Catarina se encorajou. Levantou-se depressa e dirigiu-se à capela, que estava aberta e toda iluminada.

Ajoelhou-se junto ao altar e logo viu a Virgem sentada na cadeira da superiora, rodeada por um esplendor de luz.

A voz continuou: “A santíssima Maria deseja falar-te!”

Catarina adiantou-se e ajoelhou-se aos pés da Virgem, colocando suas mãos sobre seu regaço, e Maria lhe disse: “Deus deseja te encarregar de uma missão. Tu encontrarás oposição, mas não temas, terás a graça de poder fazer todo o necessário. Conta tudo a teu confessor. Os tempos estão difíceis para a França e para o mundo. Vá ao pé do altar. Graças serão derramadas sobre todos, grandes e pequenos, e especialmente sobre os que as buscarem. Terás a proteção de Deus e de São Vicente, e meus olhos estarão sempre sobre ti. Haverá muitas perseguições, a cruz será tratada com desprezo, será derrubada e o sangue correrá!”

Depois de falar por mais algum tempo, a Virgem desapareceu.

Catarina deixou a capela e foi dormir.

 

Segunda aparição – 27 de novembro 1830 – Catarina continuou sua vida normal no convento.

No final da tarde de 27 de novembro, Catarina dirigiu-se à capela com as outras irmãs para as orações vespertinas.

Olhando para o altar, novamente viu a Virgem sobre um grande globo, segurando um globo menor, onde estava inscrita a palavra “França”.

A Virgem lhe explicou que o globo simbolizava todo o mundo, mas especialmente a França, e os tempos seriam duros para os pobres e para os refugiados das muitas guerras da época.

Em seguida, a visão modificou-se e Maria apareceu com os braços estendidos e dedos ornados por anéis que irradiavam luz. Trata-se da cena principal das aparições.

Na ocasião, Catarina perguntou por que alguns anéis não irradiavam luz e foi-lhe explicado que era pelas graças que não eram pedidas.

Catarina perguntou também como deveria proceder para que a ordem fosse cumprida. A Virgem disse que ela procurasse a ajuda de seu confessor, o padre Jean Marie Aladel.

No começo o padre não queria acreditar no que Catarina lhe contou. Finalmente, depois de dois anos de cuidadosa observação, ele levou o assunto ao conhecimento do arcebispo. O impulso à devoção foi dado no dia 20 de junho de 1832, com a cunhagem de duas mil medalhas. A partir daí, cresce cada vez mais a devoção a “Santa Maria da Medalha Milagrosa”.

Quando em fevereiro de 1832 estourou em Paris uma epidemia de cólera, causando mais de 20.000 mortes, as irmãs Filhas da Caridade começaram a distribuir as primeiras medalhas. A partir daí se multiplicaram os sinais de proteção, conversões, milagres extraordinários. O povo de Paris passou então a chamar a medalha de “milagrosa”.

Irmã Catarina faleceu em 1876.

A Companhia das Filhas da Caridade, fundada em 1633, foi a obra prima criada por São Vicente de Paulo e Santa Luísa de Marillac. A Companhia, fiel à sua vocação, desenvolveu-se no mundo inteiro. Hoje encontra-se nos cinco continentes, em 91 países, dentre eles os mais pobres. Elas são mais ou menos umas 20.000, espalhadas pelo mundo.

 

SIMBOLISMO DA MEDALHA MILAGROSA

CPIA_D~1

A serpente: Maria aparece esmagando a cabeça da serpente. A mulher que esmaga a cabeça da serpente, símbolo do demônio, estava anunciada no livro do Gênesis: “Porei inimizade entre ti e a mulher… Ela te esmagará a cabeça e tu procurarás, em vão, morder-lhe o calcanhar”.

Cristo, o “novo Adão”, com Maria, a “co-redentora”, a “nova Eva”, venceria a serpente.

Em Maria se cumpriu a sentença de Deus: A mulher esmagará a cabeça da serpente, libertando o ser humano.

Os raios: Simbolizam as graças que Nossa Senhora derrama sobre seus devotos. Por isso é chamada de “tesoureira de todas as graças!”

As 12 estrelas: Simbolizam as 12 tribos de Israel. “Estrela do Mar” é outro título dado a Nossa Senhora.

Coração cercado de espinhos: Simboliza o Amor de Jesus para com a humanidade. Cristo prometeu a Santa Margarida Maria Alacoque que daria a vida eterna aos devotos de seu coração.

Coração traspassado por uma espada: Simboliza o Imaculado Coração de Maria, sempre unido ao de Jesus. Mesmo nas horas difíceis de sua Paixão e Morte na Cruz, ela lá estava, compartilhando da sua dor, sendo nossa co-redentora.

A letra M: Significa Maria. O M sustenta o travessão e a Cruz, que representam o calvário, indicando ligação íntima de Maria e Jesus na história da salvação.

O travessão e a Cruz: Simbolizam o calvário e sua realização na Eucaristia, ressaltando a importância desta na vida cristã.

 

ORAÇÃO

Imaculada Virgem, Mãe de Deus e nossa, eu vos contemplo, de braços abertos, derramando graças sobre nós. Cheio de confiança em vossa intercessão, manifestada tantas vezes através do símbolo da ‘Medalha Milagrosa’, venho vos expor minha vida. Sei que não tenho méritos pessoais para receber vossa proteção! Confio, porém, em vossa generosidade e vos manifesto o que vai em meu coração. Ouvi-me, Mãe querida. Protegei-me e aos que me são caros! Fortalecei-me na caminhada para que meus atos sejam sempre um testemunho de fiel discípulo e missionário de Cristo, Jesus, amém. Ó Maria, concebida sem pecado, rogai por mim que a vós hoje recorro!

Fonte:
http://www.aparecidadasaguas.com.br/?c=31&Nossa%20Senhora
https://www.youtube.com/watch?v=AWD2wZLkMkI

Novena em honra a Nossa Senhora das Graças

“ Vinde, pois, todos com confiança, aos pés da Virgem Imaculada da Medalha Milagrosa, expor vossas necessidades, vossas angústias e sofrimentos e achareis o consolo, a força, a paz, a alegria.”

Início (para todos os dias)

Sinal da Cruz… Ato de Contrição

3 vezes: Ó Maria concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a vós.

Ato de Contrição:  “Senhor meu Jesus Cristo, Deus e homem verdadeiro, Criador e Redentor meu, por serdes Vós quem sois, sumamente bom e digno de ser amado sobre todas as coisas e porque Vos amo e estimo, pesa-me, Senhor, de todo o meu coração, de Vos Ter ofendido; pesa-me também de ter perdido o Céu e merecido o inferno, mas proponho firmemente, ajudado com o auxílio de Vossa divina graça, emendar-me e nunca mais Vos tornar a ofender e espero alcançar o perdão de minhas culpas pela Vossa infinita misericórdia. Amém!”

Primeiro dia – 1ª Aparição

Contemplamos a Virgem Imaculada, em sua primeira aparição a Santa Catarina Labouré. A piedosa noviça, guiada por seu Anjo da Guarda, é apresentada à Imaculada Senhora. Consideremos sua inefável alegria! Seremos também felizes como Santa Catarina, se trabalharmos com ardor na nossa santificação. Gozaremos as delícias do paraíso, se nos privarmos dos gozos terrenos.

3 Ave-Marias, Súplica a Nossa Senhora e Oração Final

Súplica a Nossa Senhora

Ó Imaculada Virgem, Mãe de Deus e nossa Mãe, ao contemplarmos de braços aberto espargindo graças sobre os que Vo-las pedem, cheios da mais viva confiança na Vossa poderosa e segura intercessão, inúmeras vezes manifestada pela Medalha Milagrosa, embora reconhecendo a nossa indignidade por causa de nossas numerosas culpas, ousamos acercar-nos de vossos pés, para vos expor durante esta Novena as nossas mais prementes necessidades…

Um instante de silêncio.

Pede-se a graça que deseja obter.

… Escutai, pois, ó Virgem da Medalha Milagrosa este favor que confiantes vos solicitamos para maior glória de Deus, engrandecimento de Vosso nome e bem de nossas almas. E, para melhor servirmos ao vosso divino Filho, inspirai-nos um profundo ódio ao pecado e dai-nos coragem de nos afirmar sempre verdadeiros cristãos. Amém!

– 3 Ave Marias, acrescentando em cada uma: “Ó Maria, concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a vós.

Oração Final (para todos os dias)
Santíssima Virgem, eu creio e confesso a vossa santa e Imaculada Conceição, pura e sem mancha. Ó puríssima Virgem Maria, por vossa Conceição Imaculada e gloriosa prerrogativa de Mãe de Deus, alcançai-me de vosso amado Filho a humildade, a caridade, a obediência, a castidade, a santa pureza de coração, de corpo e espírito, a perseverança na prática do bem, uma santa vida e uma boa morte. Amém.

Segundo dia – Lágrimas de Maria

Contemplemos Maria, chorando sobre as calamidades que viriam sobre o mundo, pensando que o Coração de seu Filho seria ultrajado, a Cruz escarnecida seus filhos prediletos perseguidos. Confiemos na Virgem compassiva e também participaremos do fruto de suas lágrimas.

3 Ave-Marias, Súplica a Nossa Senhora e Oração Final

Terceiro dia – Proteção de Maria

Contemplamos nossa Imaculada Mãe, dizendo em suas aparições a Santa Catarina: “Eu mesma estarei convosco: não vos perco de vista e vos concederei abundantes graças”. Sede para mim, Virgem Imaculada, o escudo e a defesa em todas as necessidades.

3 Ave-Marias, Súplica a Nossa Senhora e Oração Final

Quarto dia – 2ª Aparição

Estando Santa Catarina Labouré em oração, a 27 de novembro de 1830, apareceu-lhe a Virgem Maria formosíssima, esmagando a cabeça da serpente infernal: nessa aparição se vê seu desejo imenso de nos proteger sempre contra o inimigo de nossa salvação. Invoquemos a Imaculada Mãe com confiança e amor!

3 Ave-Marias, Súplica a Nossa Senhora e Oração Final

Quinto dia – As mãos de Maria

Contemplamos, hoje, Maria desprendendo de suas mãos raios luminosos. “ Estes raios, disse Ela, são a figura das graças que derramo sobre todos aqueles que mas pedem e aos que trazem com fé minha medalha”. Não desperdicemos tantas graças!

3 Ave-Marias, Súplica a Nossa Senhora e Oração Final

Sexto dia – 3ª  Aparição

Contemplamos Maria, aparecendo a Santa Catarina, radiante de luz, cheia de bondade, rodeada de estrelas, e mandando cunhar uma medalha, prometendo a todos que a trouxerem com devoção e amor muitas graças. Guardemos fervorosamente a santa Medalha e, como escudo, ela nos protegerá nos perigos.

3 Ave-Marias, Súplica a Nossa Senhora e Oração Final

Sétimo dia da novena e 1º do tríduo

Ó Virgem Milagrosa, Rainha excelsa, imaculada Senhora, sede minha advogada, meu refúgio e asilo nesta terra, minha fortaleza e defesa na vida e na morte, meu consolo e minha glória no céu.

3 Ave-Marias, Súplica a Nossa Senhora e Oração Final

Oitavo dia da novena e 2º do tríduo

Ó Virgem Imaculada da Medalha Milagrosa, fazei que esses raios luminosos que irradiam de vossas mãos virginais iluminem minha inteligência para melhor conhecer o bem, e abrasem meu coração com vivos sentimentos de fé, esperança e caridade.

3 Ave-Marias, Súplica a Nossa Senhora e Oração Final

Nono dia da novena e 3º do tríduo

Ó Mãe Imaculada, fazei que a cruz de vossa Medalha brilhe sempre diante de meus olhos, suavize as penas da vida presente e me conduza à vida eterna.

3 Ave-Marias, Súplica a Nossa Senhora e Oração Final