12 DE DEZEMBRO – NOSSA SENHORA DE GUADALUPE

1249942576

“Alegremo-nos todos no Senhor, celebrando a Festa de Nossa Senhora de Guadalupe; conosco alegram-se os Anjos e glorificam o Filho de Deus.” LD

 

ORAÇÃO DO DIA

Ó Deus, que nos destes a santa Virgem Maria para amparar-nos como mãe solícita, concedei aos povos da América Latina, que hoje se alegram com sua proteção, crescer constantemente na fé e alcançar o desejado progresso no caminho da justiça e da paz. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. (MC, p. 1830)

 

Leituras da liturgia eucarísticaGl 4,4-7, Sl 95; Lc 1,39-47

 

EVANGELHO: Lc 1,39-47

 

 

Naqueles dias Maria partiu para a região montanhosa, dirigindo-se, apressadamente, a uma cidade da Judeia.Entrou na casa de Zacarias e cumprimentou Isabel. Quando Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança pulou em seu ventre e Isabel ficou cheia do Espírito Santo. Com um grande grito, exclamou: “Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre! Como posso merecer que a mãe do meu Senhor me venha visitar? Logo que a tua saudação chegou aos meus ouvidos, a criança pulou de alegria no meu ventre. Bem-aventurada aquela que acreditou, porque será cumprido o que o Senhor lhe prometeu”. Então Maria disse: “A minha alma engrandece o Senhor, e o meu espírito se alegra em Deus, meu Salvador”.

 

 

REFLEXÃO

Mensagem à América para a festa de Nossa Senhora de Guadalupe

“Hoje celebra-se a festa de Nossa Senhora de Guadalupe, Padroeira de toda a América. Aproveito o ensejo para saudar os irmãos e irmãs daquele Continente, e faço-o pensando na Virgem de Tepeyac.

Quando apareceu a São Juan Diego, o seu rosto era mestiço e as suas vestes, cheias de símbolos da cultura indígena. Seguindo o exemplo de Jesus, Maria está ao lado dos seus filhos, acompanha o seu caminho como mãe atenciosa, partilha as alegrias e esperanças, os sofrimentos e as angústias do Povo de Deus, do qual todos os povos da terra são chamados a fazer parte.

A aparição da imagem da Virgem na tilma [manto] de Juan Diego foi o sinal profético de um abraço, o abraço de Maria a todos os habitantes das vastas terras americanas, a quantos já estavam ali e aos que teriam chegado depois. Este abraço de Maria indicou a senda que sempre caracterizou a América: é uma terra onde podem conviver povos diversos, uma terra capaz de respeitar a vida humana em todas as suas fases, desde o ventre materno até à velhice, capaz de acolher os emigrantes, os povos, os pobres e os marginalizados de todas as épocas. A América é uma terra generosa.

Esta é a mensagem de Nossa Senhora de Guadalupe, e esta é também a minha mensagem, a mensagem da Igreja. Encorajo todos os habitantes do Continente americano a manter os braços abertos como a Virgem Maria, com amor e ternura.

Caros irmãos e irmãs da América inteira, rezo por todos vós, mas também vós orai por mim! Que a alegria do Evangelho esteja sempre nos vossos corações! O Senhor vos abençoe e a Virgem vos acompanhe!” (Papa Francisco, Audiência Geral, Praça de São, 11 de Dezembro de 2013)

 

ORAÇÕES A NOSSA SENHORA DE GUADALUPE

homenaje-a-la-virgen-de-guadalupe-1

“Salve, Mãe das Américas, celeste missionária do novo mundo (…) mãe e mestra da fé para os povos da América.” Papa João XXIII, 1961

I

Virgem Maria de Guadalupe, Mãe do verdadeiro Deus por quem se vive!
Em São Juan Diego, o menor de teus filhos, tu dizes aos povos da América Latina: “Não estou aqui, eu que sou tua Mãe? Não estás sob minha sombra? Não estás por ventura em meu regaço?”
Por isso, com profundo agradecimento, reconhecemos através dos séculos todas as mostras de teu amor materno, teu constante auxílio, compaixão e defesa dos moradores de nossas terras, dos pobres e simples de coração.
Com esta certeza filial, acorremos a ti, para te pedir que, assim como ontem, nos dês novamente teu Divino Filho, porque somente no encontro com Ele se renova a existência pessoal e se abre o caminho para a edificação de uma sociedade justa e fraterna.
A ti, “Missionária Celeste do Novo Mundo”, que sois o rosto mestiço da América e luminosamente manifestas sua identidade, unidade e originalidade, confiamos o destino de nossos Povos.
A ti, Pedagoga do Evangelho de Cristo, Estrela da Nova Evangelização, consagramos nosso trabalho missionário do Povo de Deus peregrino na América Latina.
Oh Doce Senhora! Oh Mãe Nossa! Oh Sempre Virgem Maria! tua presença nos faz irmãos!

Acolhe com amor esta súplica de teus filhos e abençoa esta tua amada terra com os dons da reconciliação e da paz. Amém!  (Papa emérito Bento XVI, México, 2012)

 

II

Mãe e Senhora de Guadalupe, mãe amorosa e compassiva, “rosto materno de Deus, retrato eloquente de sua ternura e misericórdia, olha para o teu povo.

Concede aos sacerdotes e consagrados: a tua silenciosa atitude de escuta para discernir os apelos no Senhor no clamor do povo; a coragem do compromisso com o teu Filho e com os irmãos. Transforma a água de toda dor e angústia de teu povo em vinho saboroso da esperança pascal. Faze brilhar para teus filhos esmagados sob o peso do egoísmo, sem voz e nem vez, a aurora luminosa da libertação em que Deus seja “tudo em todos” e haja terra, pão e trabalho para todos.” (Frei Patrício Sciadini, O.C.D.)

 

III

Virgem Santíssima, Nossa Senhora de Guadalupe! Nós vos pedimos, ó Mãe do Céu, abençoai o protegei os povos da América latina para que todos nós, envolvidos pelo vosso carinho maternal, nos sintamos mais perto de Deus, nosso Pai comum.

Nossa Senhora de Guadalupe, abençoados por vós, e, amparados por vosso Divino Filho, teremos força para alcançar a nossa libertação. Nós nos libertaremos da superstição, dos vícios, dos pecados  e também da injustiça e da opressão que sofremos da parte dos prepotentes que exploram e dominam os seus semelhantes.

Ó Mãe de Jesus, nosso Salvador, atendei benigna a nossa oração.

Nossa Senhora de Guadalupe, padroeira da América Latina, rogai por nós. Amém.

IV

Perfeita, sempre Virgem Santa Maria, mãe do Verdadeiro Deus,  por quem se vive. Tu que, na verdade, és nossa Mãe Compassiva, buscamos-te e te clamamos. Escuta com piedade nosso pranto e nossas tristezas. Cura nossas penas,  nossas misérias e dores. Tu que és nossa doce e amorosa Mãe, acolhe-nos no aconchego do teu manto e no carinho de teus braços.

Peço, Nossa Senhora de Guadalupe, que nada nos aflija nem perturbe nosso coração. Mostra-nos e manifesta-nos a teu amado Filho, para que Nele  e com Ele encontremos nossa salvação e a salvação do mundo.

Santíssima Virgem Maria de Guadalupe, faze-nos mensageiros teus, mensageiros da Palavra e da vontade de Deus. Amém.

 

V

Ó gloriosa Mãe de Deus, Nossa Senhora de Guadalupe, padroeira da América Latina, abençoai esta casa e a família que aqui reside.

Protegei nossos filhos, livrando-os das maldades e dos perigos deste mundo. Guardai nosso lar, escondendo-o dos olhos dos maus. Que nesta casa o nome de Deus seja sempre invocado com respeito e amor. Que os seus mandamentos sejam observados com fidelidade. Que vosso bendito nome, ó Mãe querida, seja sempre lembrando com muita devoção. Que a palavra de vosso Filho Jesus seja sempre meditada e seguida todos os dias de nossa vida.

Honra, louvor e glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo: Trindade Santíssima.
Amém. (Fonte: http://paroquiaguadalupejacarei.com.br/)

 

VI

Nossa Senhora de Guadalupe, ensina-nos a servir e levar Jesus para a vida dos que necessitam, ensina-nos também a humildade da gratidão pela obra de Deus em nossas vidas. Mãe Maria, fiel portadora e serva de Jesus, vá à frente em nossos caminhos, iluminando-nos, aplainando-os, defendendo-nos dos inimigos, abrindo as portas ainda fechadas à presença de Jesus. Abranda Mãe, os corações fechados e rancorosos e ensina-nos a também ser canais de bênçãos e graças de DeusAmém! (Geraldo Duarte, Mailing da Fé, 12 dez 2014.)

 

VII

MÃE DO CÉU MORENA

 (Padre Zezinho)

Mãe do Céu Morena,
Senhora da América Latina,
De olhar e caridade tão divina,
De cor igual à cor de tantas raças.

Virgem tão Serena,
Senhora destes povos tão sofridos,
Patrona dos pequenos e oprimidos,
Derrama sobre nós as tuas graças.

Derrama sobre os jovens tua luz,
Aos pobres vem mostrar o teu Jesus,
Ao mundo inteiro traz o teu amor de Mãe.

Ensina quem tem tudo a partilhar,
Ensina quem tem pouco a não cansar,
E faz o nosso povo caminhar em paz.

Mãe do Céu Morena,
Senhora da América Latina,
De olhar e caridade tão divina,
De cor igual à cor de tantas raças.

Virgem tão Serena,
Senhora destes povos tão sofridos,
Patrona dos pequenos e oprimidos,
Derrama sobre nós as tuas graças.

Derrama a esperança sobre nós,
Ensina o povo a não calar a voz,
Desperta o coração de quem não acordou.

Ensina que a justiça é condição,
De construir um mundo mais irmão,
E faz o nosso povo, conhecer, Jesus…!

2º DOMINGO DO ADVENTO – ANO C

advent2

Povo de Sião, o Senhor vem para salvar as nações! E, na alegria do vosso coração, soará majestoso a sua voz. (Is 30,19.30)

 

 ORAÇÃO DO DIA

Ó Deus todo-poderoso e cheio de misericórdia, nós vos pedimos que nenhuma atividade terena no impeça de correr ao encontro do vosso Filho, mas, instruídos pela vossa sabedoria, participemos da plenitude de sua vida. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. (MD, p. 61)

Leituras da liturgia eucarística: Br 5,1-9; Sl 125; Fl 1,4-6.8-11; Lc 3,1-6

 

EVANGELHO: Lc 3,1-6

 

No décimo quinto ano do império de Tibério César, quando Pôncio Pilatos era governador da Judeia, Herodes administrava a Galileia, seu irmão Filipe, as regiões da Itureia e Traconítide, e Lisânias a Abilene; quando Anás e Caifás eram sumos sacerdotes, foi então que a palavra de Deus foi dirigida a João, o filho de Zacarias, no deserto.

E ele percorreu toda a região do Jordão, pregando um batismo de conversão para o perdão dos pecados, como está escrito no Livro das palavras do profeta Isaías: “Esta é a voz daquele que grita no deserto: ‘preparai o caminho do Senhor, endireitai suas veredas. Todo vale será aterrado, toda montanha e colina serão rebaixadas; as passagens tortuosas ficarão retas e os caminhos acidentados serão aplainados. E todas as pessoas verão a salvação de Deus’”.

 

REFLEXÃO

Neste segundo domingo do Advento, a liturgia propõe o trecho evangélico em que São Lucas, por assim dizer, prepara a cena sobre a qual Jesus está para aparecer e dar início à sua missão pública (cf. Lc 3, 1-6). O Evangelista chama a atenção para João Batista, que foi o precursor do Messias, e traça com grande exatidão as coordenadas espaço-temporais da sua pregação. Lucas escreve: “No décimo quinto ano do reinado do imperador Tibério, sendo Pôncio Pilatos governador da Judeia, Herodes tetrarca da Galileia, seu irmão Filipe tetrarca da Itureia e da Traconítide, e Lisânias tetrarca da Abilena; sob o pontificado de Anás e Caifás, a palavra de Deus foi dirigida a João, filho de Zacarias, no deserto” (Lc 3, 1-2). Dois elementos chamam a nossa atenção. O primeiro é a abundância de referências a todas as autoridades políticas e religiosas da Palestina no ano 27/28 d.C. Evidentemente, o Evangelista quer recordar a quem lê ou ouve, que o Evangelho não é uma lenda, mas a narração de uma história verdadeira, e que Jesus de Nazaré é uma personagem histórica inserida naquele contexto específico. O segundo elemento digno de nota é o facto de que, depois desta ampla introdução histórica, o sujeito torna-se “a palavra de Deus”, apresentada como uma força que desce do alto e se põe sobre João Baptista.

(…) Tiro (de Santo Ambrósio) um comentário deste texto evangélico: “O Filho de Deus – escreve ele – antes de reunir a Igreja, age principalmente no seu servo humilde. Por isso, São Lucas diz bem que a palavra de Deus desceu sobre João, filho de Zacarias, no deserto, porque a Igreja não teve início a partir dos homens, mas da Palavra” (Exposição do Evangelho de Lucas 2, 67). Por conseguinte, eis o significado: a Palavra de Deus é o sujeito que move a história, inspira os profetas, prepara o caminho do Messias e convoca a Igreja. O próprio Jesus é a Palavra divina que se fez carne no seio virginal de Maria: nele, Deus revelou-se plenamente, disse-nos e deu-nos tudo, abrindo-nos os tesouros da sua verdade e da sua misericórdia. Santo Ambrósio dá continuidade ao seu comentário: “Portanto a Palavra desceu, a fim de que a terra, que antes era um deserto, produzisse os seus frutos para nós” (ibidem).

Estimados amigos, a flor mais linda que nasceu da Palavra de Deus é a Virgem Maria. Ela é a primícia da Igreja, jardim de Deus na terra. No entanto, enquanto Maria é a Imaculada – assim iremos celebrá-la (…) amanhã – a Igreja tem necessidade contínua de se purificar, porque o pecado ameaça todos os seus membros. Na Igreja está sempre em ato uma luta entre o deserto e o jardim, entre o pecado que torna a terra árida e a graça que a irriga a fim de que venha a produzir frutos abundantes de santidade. Portanto, oremos à Mãe do Senhor a fim de que nos ajude, neste tempo do Advento, a “endireitar” as nossas veredas, deixando-nos orientar pela Palavra de Deus. (Papa Bento XVI, Angelus, 06 de dezembro de 2009)