ORAÇÕES A SANT’ANA

 23977652_p (2)

I

A estrela d’alva já brilha, já nova aurora reluz, o sol nascente vem vindo e banha o mundo de luz. Cristo é o sol da justiça. Maria, aurora radiante. Da lei à treva expulsando, ó Ana, vais adiante.

Ana, fecunda raiz, que de Jessé germinou, produz o ramo florido do qual o Cristo brotou.

Mãe da Mãe santa de Cristo e tu, Joaquim, santo pai, pelas grandezas da Filha, nosso pedido escutai.

Louvor a vós, Jesus Cristo, que de uma virgem nascestes. Louvor ao Pai e ao Espírito, lá nas alturas celestes. (Hino da Liturgia das Horas)

 

II

(Pela santificação das famílias)

Senhora Sant’Ana, fostes chamada por Deus a colaborar na salvação do mundo. Seguindo os caminhos da Providência Divina, recebeste São Joaquim por Esposo. Deste vosso matrimônio, vivido em santidade, nasceu Maria Santíssima, que seria a Mãe de Jesus Cristo. Formando Vós família tão santa, confiantes nós vos pedimos por esta nossa família. Alcançai-nos a todos as graças de Deus: aos PAIS deste lar, que vivam na santidade do matrimônio e formem seus filhos segundo o Evangelho; aos FILHOS desta casa, que cresçam em sabedoria, graça e santidade e encontrem a vocação a que Deus os chamou. E a TODOS nós, Pais e Filhos, alcançai-nos a alegria de viver fielmente na Igreja de Cristo, guiados sempre pelo Espírito Santo, para que um dia, após as alegrias e sofrimentos desta vida, mereçamos também nós chegar à casa do Pai, onde vos possamos encontrar, para juntos sermos eternamente felizes, no Cristo, pelo Espírito Santo. Amém. Sant’Ana, rogai por nós!  (Dom Joel Ivo Catapan)

 

III

Gloriosa Sant’Ana, protetora das famílias cristãs, a ti encomendo meus filhos e meus netos.
Sei que os recebi de Deus e que a Deus eles pertencem. Portanto te rogo que me concedas a graça de aceitar o que a Divina Providência dispuser para eles.

Abençoa-os, ó misericordiosa Sant’Ana, e toma-os debaixo de tua proteção. Não te peço para eles privilégios excepcionais. Somente desejo consagrar-te suas almas e seus corpos, para que os preserves de todo mal. A ti confio suas necessidades temporais e sua salvação eterna.

Imprime em seus corações, minha boa Sant’Ana, horror ao pecado, afasta-os do vício, preserva-os da corrupção, conserva em suas almas a Fé, a retidão e os sentimentos cristãos, e ensina-os a amar a Deus sobre todas as coisas, como ensinaste à tua puríssima Filha, a Imaculada Virgem Maria.

Sant’Ana, tu que foste espelho de paciência, concede-me a virtude de sofrer com paciência e amor as dificuldades que se apresentem na educação de meus filhos e de meus netos. Para eles e para mim, peço tua bênção, ó bondosa mãe celestial.

Que sempre te honremos, como a Jesus e a Maria, que vivamos conforme a vontade de Deus e que depois desta vida encontremos a bem-aventurança na outra, reunindo-nos contigo na Glória de Deus por toda a eternidade. Assim seja.

 

IV

Senhor, Deus de nossos pais, que concedestes a Sant’Ana a graça de dar a vida à mãe de vosso filho Jesus, olhais por todas as famílias que lutam para sobreviver e que se encontram em grandes dificuldades de relacionamento. Que os lares sejam lugares abençoados e plenos de acolhimento e de compreensão.
Sant’Ana, olhai para as crianças, acompanhai os adolescentes e jovens, amparai os idosos e doentes.
Que todas as pessoas possam contar sempre com as bênçãos de vossa proteção. Sant’Ana, eu ainda vos peço (fazer o pedido); neste dia dai-me a graça que tanto necessito.
Sant’Ana, rogai por nós! Amém!

 

V

Ó misericordiosa e piedosíssima advogada minha Sant’Ana, vós que, por graça especial de Deus, fostes elevada à dignidade excelsa de mãe da mãe de Jesus, por tão grande prerrogativa que alcançastes junto à Santíssima Trindade, peço-vos conseguir do Senhor a Graça que tanto desejo (dizer a graça) se não servir de obstáculo à minha Salvação.  Suplico-vos pelo vosso dulcíssimo nome, que significa graça e misericórdia, pelo vosso espírito de adoração e de penitência que me atendais. Ouvi sem demora a minha prece, despachai a minha súplica, consolai meu coração. Ó Sant’Ana, atendei ao meu pedido (fazer novamente o pedido). Assim seja. Rezar um Pai-Nosso, uma Ave-Maria e um Glória.

 

VI

Ó beatíssimos pais da Mãe de Deus, São Joaquim e Sant´ana, eu vos saúdo e bendigo com devoção e amor. Alegro-me de todo o coração pela vossa glória e por aquela sublime prerrogativa pela qual Deus vos escolheu para serdes os pais da Mãe de Deus, Maria Santíssima.
Rogai por mim a Jesus e a Maria para que eu os agrade em tudo. Tende piedade de mim como os pais têm de seus filhos. Sede meus consoladores na vida e na morte. Assisti-me na minha última agonia, para que dignamente receba os santos sacramentos da Igreja e, partindo deste mundo com o coração contrito, possa chegar ao céu. Amém

26 DE JULHO: SÃO JOAQUIM E SANT’ANA

“A ilustre linhagem de Jessé

Produziu o rebento mais formoso,

Do qual surgiu a linda flor mais perfumosa.”

(Oração das Horas)

 

 

ORAÇÃO DO DIA

Senhor, Deus de nossos pais, que concedestes a São Joaquim e Sant’Ana a graça de darem a vida à mãe do vosso Filho, Jesus, fazei que, pela intercessão de ambos, alcancemos a salvação prometida a vosso povo. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. (Oração das Horas)

 

Leituras da Liturgia Eucarística: Eclo 44,1.10-15Sl 131Mt 13,16-17

 

EVANGELHO – Mt 13,16-17

Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: “Felizes sois vós, porque vossos olhos veem e vossos ouvidos ouvem. Em verdade vos digo, muitos profetas e justos desejaram ver o que vedes, e não viram, desejaram ouvir o que ouvis, e não ouviram”.

 

REFLEXÃO

Hoje, celebramos Sant’Ana e São Joaquim, os avós de Jesus, os pais da Virgem Maria. Quando nos lembramos dos avós, lembramo-nos também dos nossos bisavós, tataravós, e muitos deles nós nem conhecemos.
A celebração de hoje remete-nos àqueles que foram importantes para que estivéssemos aqui. Reconhecer quem são os nossos antepassados é reconhecer a nossa própria história e saber que nós somos uma continuidade. É claro que cada um faz a sua própria história, mas essa história não começou conosco, ela começou com os nossos pais e com todos aqueles que vieram antes deles, que são os nossos avós e todos os outros que fazem parte da geração que nos trouxe até o dia de hoje.
“Façamos um elogio, um reconhecimento, um agradecimento”, diz a Palavra. Hoje, eu queria louvar e bendizer muito a Deus por todos aqueles que têm a graça de ser vovó e vovô, porque paira uma bênção muito especial, pois estão vivendo uma segunda geração. E quem é bisavô, que graça maior ainda. Muitos, talvez, estejam me ouvindo agora, mas os nossos avós não são tão velhos assim, aqui não é a “velhice” da idade, mas a da sabedoria de ter gerado, de ter deixado uma descendência. Que Deus abençoe muito aqueles que são avós.
Eu chamo à atenção para que respeitemos, para que amemos e valorizemos aqueles que são nossos vovós. A sabedoria que vem deles, o respeito que merecem, os sofrimentos que já passaram, o aprendizado que já tiveram com a vida… Como é importante valorizar todos os que são mais velhos do que nós, que têm mais idade do que nós!
Precisamos, mais do que nunca, invocar, em nosso tempo, o respeito para com aqueles que são mais velhos. O respeito que começa pela consideração, e esta passa por saber ouvir. Não precisa estar sempre certo, mas há mais sabedoria em quem sabe escutar, abaixar a cabeça do que aquele que quer sempre ter a razão.
Muita coisa em nossa vida seria diferente se soubéssemos escutar mais os nossos pais, os nossos avós e assim por diante. A sabedoria deles nos ajuda a aprender até com os erros que eles cometeram, para que não cometamos os mesmo erros. Agora, o erro maior é não saber ouvir, valorizar, respeitar nem amar aqueles que vieram antes de nós, porque, um dia, nós seremos avós. As gerações vão passando, e como é importante aprendermos quando Deus nos dá essa graça!
Deus abençoe demais você que é vovô e vovó. Deus abençoe muito os seus avós. Deus abençoe aqueles que têm muito a nos ensinar com a saberia da vida.  (Padre Roger Araújo, Homilia Diária, cancaonova.com)

São Joaquim e Sant’Ana foram abençoados por Jesus com o nascimento da Virgem Maria

Com alegria celebramos hoje a memória dos pais de Nossa Senhora: São Joaquim e Sant’Ana. Em hebraico, Ana exprime “graça” e Joaquim equivale a “Javé prepara ou fortalece”.

Alguns escritos apócrifos narram a respeito da vida destes que foram os primeiros educadores da Virgem Santíssima. Também os Santos Padres e a Tradição testemunham que São Joaquim e Sant’Ana correspondem aos pais de Nossa Senhora. Sant’Ana teria nascido em Belém. São Joaquim na Galileia. Ambos eram estéreis. Mas, apesar de enfrentarem esta dificuldade, viviam uma vida de fé e de temor a Deus.

O Senhor então os abençoou com o nascimento da Virgem Maria e, também segundo uma antiga tradição, São Joaquim e Sant’Ana já eram de idade avançada quando receberam esta graça. A menina Maria foi levada mais tarde pelos pais Joaquim e Ana para o Templo, onde foi educada, ficando aí até ao tempo do noivado com São José.

A data do nascimento e morte de ambos não possuímos, mas sabemos que vivem no coração da Igreja e nesta são cultuados desde o século VI.

São Joaquim e Sant’Ana, rogai por nós!

por anaalmada2013 Postado em Santos

São Pedro e São Paulo

1.s.pedro e s.paulo

Eis os santos que, vivendo neste mundo, plantaram a Igreja, regando-a com seu sangue. Beberam do cálice do Senhor e se tornaram amigos de Deus. (Ant. entr.)

ORAÇÃO DO DIA

Ó Deus, que hoje nos concedeis a alegria de festejar São Pedro e São Paulo, concedei à vossa Igreja seguir em tudo os ensinamentos destes apóstolos que nos deram as primícias da fé.  Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. (LD, ano XXIV, nº 282)

Leituras da liturgia eucarística: At 12,1-11; Sl 33; 2Tm 4,6-8.17-18; Mt 16,13-19

 

EVANGELHO: Mt 16,13-19

 sc3a3o-pedroNaquele tempo, Jesus foi à região de Cesareia de Filipe e ali perguntou aos seus discípulos: “Quem dizem os homens ser o Filho do Homem?”

Eles responderam: “Alguns dizem que é João Batista; outros que é Elias; outros ainda, que é Jeremias ou algum dos profetas”.

Então Jesus lhes perguntou: “E vós, quem dizeis que eu sou?”

Simão Pedro respondeu: “Tu és o Messias, o Filho do Deus vivo”.

Respondendo, Jesus lhe disse: “Feliz és tu, Simão, filho de Jonas, porque não foi um ser humano que te revelou isso, mas o meu Pai que está no céu. Por isso eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra construirei a minha Igreja, e o poder do inferno nunca poderá vencê-la. Eu te darei as chaves do Reino dos Céus: tudo o que tu ligares na terra será ligado nos céus; tudo o que tu desligares na terra será desligado nos céus”.

 

REFLEXÃO

Este trecho, não é importante só para a Igreja Católica, mas o é intrinsicamente. Assinala o evangelho de Mateus mudança importante. Compõe-se de duas partes: a confissão de Pedro, porta-voz dos Doze, sobre a messianidade de Jesus e, nela inserida, a promessa do primado que Jesus faz a Pedro. Cronologicamente, as duas coisas não parecem coincidir. De fato, a passagem seguinte não faz alusão à confissão da divindade de Jesus. O motivo por que Mateus uniu as duas partes deve ser buscado em sua teologia. A ruptura com Israel é agora definitiva: não é mais a planta de Deus; o discípulo deve abandoná-la: deixai-a; Jesus mesmo a abandona. Mas um Messias sem um povo é inconcebível, e Jesus o anuncia fundado sobre a Rocha que visivelmente, depois de seu desaparecimento, será Pedro, a quem dá as chaves. (MD, Paulus, 1995, p. 1335)